Arquivo para Nelsinho

SPORT, SPORT, SPORT!

Posted in sport, sport club do recife with tags , , , , , , , , on julho 13, 2008 by Lule
eterna freguesia

Leão e a Barbie: eterna freguesia

Rubro-negros,

Bem que eu havia dito que a reação começaria em cima da nossa freguesa eterna: a BARBIE. Não deu outra. O SPORT venceu de 2 x 0 e eu, Nina e Bola ouvimos pela rádio Clube aqui em São Paulo. Na hora do segundo gol, quando o narrador avisou que era Fumagalli quem iria bater, apenas nos olhamos e sentimos aquele aroma característico (que Nara fisiologicamente não consegue sentir, mas que ele emocionalmente sente!) de GOL. Dito e feito, Durval acertou uma linda bola com aquela canhotinha poderosa.
Ficamos aqui ouvindo o final do jogo e contando várias oportunidades perdidas… Poderíamos ter vencido de 3 x 0, até mesmo 4 x 0 (o que nos daria nossa tradicional goleada anual sobre o Náutico). Mas o resultado valeu, estamos em 11º lugar agora e que venham os outros times. Nelsinho tá agora no rádio dizendo que “a equipe voltou a ter aquela pegada, voltou a jogar com inteligência, com aquela determinação”. Em bom futebolês, isso significa que a galera jogou com raça, como requer a camisa vermelha e preta.
Para terminar, é bom lembrar que hoje é aniversário de Luciana Loirinha, mãe da rubro-negra Letícia, mulher do membro da facção das cadeiras da TORCE Chipan e filha do grande rubro-negro Edgard Monteiro Neto. Então, Loira, seu presente veio pelos pés do nosso capitão, aquele do número 4, que é o da camisa que ganhei da minha irmã e usei pela primeira vez no meu próprio aniversário, um mês atrás (no dia do gol de Enilton no Morumbi).

Beijos, parabéns a Loirinha e saudações rubro-negras a todos de uma São Paulo fria.

Anúncios

Pane rubro-negra

Posted in sport, sport club do recife with tags , , , , , , , , on julho 11, 2008 by Lule
Leão enjaulado. Até quando?

Leão enjaulado. Até quando?

Nação em vermelho e preto,

O que aconteceu em São Januário? Quem viu o jogo, por favor, pronuncie-se. Como pode o time perder gol, dominar territorialmente até os 25 min do primeiro tempo (assim li aqui na internet) e depois ser goleado dessa forma?
De quem é a culpa da pane rubro-negra? De Nelsinho, que apostou nos três volantes e depois colocou Enilton no lugar de Sandro Goiano no intervalo? Ou do time, que segundo o Diario de hoje jogou sem um pingo de atitude?
Olhem as declarações do nosso técnico: “Nós tivemos um volume de jogo melhor no primeiro tempo e acabamos levando o gol. Na etapa final mais uma vez sofremos o gol quando estávamos melhor e aí o time sentiu muito e acabou vindo a tomar mais dois.  O futebol é assim, quando você não aproveita as oportunidades, corre o risco de pagar muito caro por isto. E assim foi conosco.”
Nelsinho disse que ia “deixar a cabeça esfriar” e conversar com o grupo hoje ou amanhã. Temos um jogo contra o Náutico no domingo que, se antes já era importante, agora é crucial para nossa sobrevivência no campeonato.
Nosso Leão está preso, domado, atordoado, anestesiado. Sonolento, vê os pontos se esvair assim, quase sem esboçar reação, ou nos instantes finais… Hora de acordar! Espero que o time quebre a jaula e ganhe a partida contra a Barbie jogando futebol de RAÇA, principalmente.
Dêem suas opiniões sobre qual deve ser a escalação para o Clássico dos Clássicos. Eu acho que Luciano Henrique e Fumagalli devem ficar juntos no meio.
Bom fim de semana a todos e PELO SPORT TUDO.

O que fazer com Diogo?

Posted in sport, sport club do recife with tags , , , , , on julho 5, 2008 by Lule
do site meuSport.com

do site meuSport.com

Rubro-negros,

Como vocês já sabem, o lateral-direito Diogo fugiu (a palavra é essa mesma) da concentração do Sport no dia do jogo contra o Flamengo, no domingo passado, 29 de junho. Escafedeu-se assim, do nada. Não por acaso, se ele entrasse em campo completaria sete partidas pelo Sport na Série A do Campeonato Brasileiro e assim não mais poderia ser transferido para outro clube.
E isso era o que ele queria, pois a diretoria do Santos já vinha sondando o atleta. Demorou alguns dias para Diogo ressurgir. Antes, seu empresário tentou adquirir os direitos federativos, mas a diretoria do Sport não aceitou.
A novela terminou ontem, com a reapresentação do atleta na Ilha do Retiro. Deu em todos os jornais que Carlinhos Bala havia preparado um cartaz com os seguintes dizeres: “Seja bem vindo fujão. A gente agradece a multa”. (Detalhe: a primeira frase tá errada gramaticalmente. Era para ser “seja bem-vindo, fujão”).
Diogo pagou uma multa de cerca de R$ 5,6 mil, o que equivale a 40% do seu salário (que é de R$ 14 mil). Leiam as declarações do presidente Milton Bivar (publicadas no DP de hoje): “Ele fez o que deveria ser feito. Quer dizer, nem deveria ter saído. Não tenho o que conversar com ele. A pessoa tem que assumir os seus atos”.
Já o treinador Nelsinho Batista disse o seguinte: “Falamos sobre o antes e o depois de sua decisão. Ele tem que assumir a responsabilidade. Diogo vai treinar junto com os outros jogadores e vai ter que reconquistar tudo aquilo que perdeu, e ele perdeu muita coisa”.

A pergunta da nossa enquete é: você acha que o Sport fez certo em aceitar o atleta de volta? Se você fosse presidente do Sport, qual atitude tomaria? E se fosse Nelsinho, deixava o lateral treinar junto ao resto do plantel?
Votem.
E pelo Sport tudo, com ou sem Diogo.

Xico Sá, Bala e Deus

Posted in sport, sport club do recife with tags , , , , , , , , , , on junho 13, 2008 by Lule

Nação de campeões,

Hoje tenho a honra de estrear aqui na atualização do nosso blog. Dando continuidade às comemorações pelo nosso primeiro título da COPA DO BRASIL, coloco aqui um texto do cearense-pernambucano-paulista-santista Xico Sá, publicado hoje na Folha de São Paulo (com chamada na capa!). Que Jacob que nada… Quem manda na Ilha de Lost é CARLINHOS BALA, o predestinado! Leiam e se deliciem. Pelo SPORT tudo!

XICO SÁ

Deus e o Bala na terra do sol

O Divino revelou ao herói do Sport o desfecho da Copa do Brasil na Ilha de Lost e pediu clemência da Fiel a Felipe

AMIGO TORCEDOR, amigo secador, Deus é fiel, mas, dessa vez, queixoso do mundo-cão, foi tirar uns dias de folga no Nordeste, onde, em um semáforo na praia do Pina, no Recife, revelou a Carlinhos Bala, como a um dos seus profetas do Velho Testamento, o que aconteceria na Ilha de Lost, também conhecida como do Retiro.
“Filho, a princípio achei que era o Chico César, criatura de Catolé do Rocha, mas reparo que és tu mesmo, menino Bala, como andas, preparado para a final com o grande Corinthians?”, gracejou o Divino.
“Senhor, agora vejo que estás mesmo onde menos a gente espera, como diz a Bíblia”, bradou o mestiço do pequeno David com Macunaíma.
“Filho, prepare-se para viver dias de glória, mesmo com todo o meu respeito à fé cega dos admiráveis coríntios, bem-aventurados sejam os renegados do Sport que tanto penaram pelas Segundonas da vida, os alvinegros só começaram as suas peregrinações e são líderes absolutos.”
“Senhor, vamos ganhar a Copa do Brasil, como na visão que tive no gol salvador na casa do São Paulo?” “Filho, como disse o bravo Juca Kfouri, tenho mais o que fazer nesse mundão sem porteiras, pero…”
“Pero o quê, Senhor, até parece argentino com esse portunhol do Herrera, pelo amor dos meus filhinhos, precisamos do título para lavar a nossa honra, é unanimidade entre os cavaleiros das mesas-redondas que o Timão já pode colocar a faixa.”
“Calma, na carta do secador São Paulo aos coríntios há outro rumo.” “Senhor, o sinal vai abrir. Perdoe-me, mas tenho pressa, pois Nelsinho não tolera atrasos na Ilha de Lost.”
“Bem-aventurado seja o Baptista, que suportou, com resignação e sabedoria, todas as humilhações da queda para a Segundona…”
“Mas, Senhor, vamos ganhar a Copa do Brasil? Perdoe minha objetividade burra!”, apelou o boleiro, enquanto uma criança passava o rodinho no vidro do seu Audi prata.
“Tem comido cuscuz com ovo?!”, Deus tentou mudar o papo, citando um segredo da força do baixinho.
“Cuscuz com bode também, Senhor, mas sem cachaça”, respondeu, mais relax, o herói do Sport.
“Muito bem, era a comida dos homens fortes do deserto, viva os caprinos, incluindo os cordeiros, sagradas criaturas, mas um vinhozinho está permitido, pois nem Deus agüenta a sobriedade absoluta.”
“Senhor, por que segura o sinal no vermelho tanto tempo? Creio que estamos conversando há horas.”
“Assim será o jogo para os alvinegros, tudo trancado, não verão o caminho da rede após bem-sucedidas pescarias neste ano”, disse o Divino.
“Embora tenha cerimônias de me meter nessas pelejas, os coríntios, quase sempre humildes, cometeram o pecado da soberba, pecado do meu apóstolo tricolor e ultimamente do Palmeiras do Luxa, sacas?”
Além do sinal, belas nuvens negras da chuva e da fartura nordestina encobriam o caminho de Deus naquela hora, quando o menino Bala recebeu a iluminação do título e espalhou para a incrédula mídia.
Ao longe, Deus cantou para o boleiro: “O bom menino Felipe, coitado, vai tomar um gol que pode parecer frango, mas, para quem sabe de futebol, será indefensável, espero que a amada fiel não o julgue, e que o caminho na Segundona seja leve!”.


xico.folha@uol.com.br

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/esporte/fk1306200815.htm