Arquivo para Xico Sá

Xico Sá, Bala e Deus

Posted in sport, sport club do recife with tags , , , , , , , , , , on junho 13, 2008 by Lule

Nação de campeões,

Hoje tenho a honra de estrear aqui na atualização do nosso blog. Dando continuidade às comemorações pelo nosso primeiro título da COPA DO BRASIL, coloco aqui um texto do cearense-pernambucano-paulista-santista Xico Sá, publicado hoje na Folha de São Paulo (com chamada na capa!). Que Jacob que nada… Quem manda na Ilha de Lost é CARLINHOS BALA, o predestinado! Leiam e se deliciem. Pelo SPORT tudo!

XICO SÁ

Deus e o Bala na terra do sol

O Divino revelou ao herói do Sport o desfecho da Copa do Brasil na Ilha de Lost e pediu clemência da Fiel a Felipe

AMIGO TORCEDOR, amigo secador, Deus é fiel, mas, dessa vez, queixoso do mundo-cão, foi tirar uns dias de folga no Nordeste, onde, em um semáforo na praia do Pina, no Recife, revelou a Carlinhos Bala, como a um dos seus profetas do Velho Testamento, o que aconteceria na Ilha de Lost, também conhecida como do Retiro.
“Filho, a princípio achei que era o Chico César, criatura de Catolé do Rocha, mas reparo que és tu mesmo, menino Bala, como andas, preparado para a final com o grande Corinthians?”, gracejou o Divino.
“Senhor, agora vejo que estás mesmo onde menos a gente espera, como diz a Bíblia”, bradou o mestiço do pequeno David com Macunaíma.
“Filho, prepare-se para viver dias de glória, mesmo com todo o meu respeito à fé cega dos admiráveis coríntios, bem-aventurados sejam os renegados do Sport que tanto penaram pelas Segundonas da vida, os alvinegros só começaram as suas peregrinações e são líderes absolutos.”
“Senhor, vamos ganhar a Copa do Brasil, como na visão que tive no gol salvador na casa do São Paulo?” “Filho, como disse o bravo Juca Kfouri, tenho mais o que fazer nesse mundão sem porteiras, pero…”
“Pero o quê, Senhor, até parece argentino com esse portunhol do Herrera, pelo amor dos meus filhinhos, precisamos do título para lavar a nossa honra, é unanimidade entre os cavaleiros das mesas-redondas que o Timão já pode colocar a faixa.”
“Calma, na carta do secador São Paulo aos coríntios há outro rumo.” “Senhor, o sinal vai abrir. Perdoe-me, mas tenho pressa, pois Nelsinho não tolera atrasos na Ilha de Lost.”
“Bem-aventurado seja o Baptista, que suportou, com resignação e sabedoria, todas as humilhações da queda para a Segundona…”
“Mas, Senhor, vamos ganhar a Copa do Brasil? Perdoe minha objetividade burra!”, apelou o boleiro, enquanto uma criança passava o rodinho no vidro do seu Audi prata.
“Tem comido cuscuz com ovo?!”, Deus tentou mudar o papo, citando um segredo da força do baixinho.
“Cuscuz com bode também, Senhor, mas sem cachaça”, respondeu, mais relax, o herói do Sport.
“Muito bem, era a comida dos homens fortes do deserto, viva os caprinos, incluindo os cordeiros, sagradas criaturas, mas um vinhozinho está permitido, pois nem Deus agüenta a sobriedade absoluta.”
“Senhor, por que segura o sinal no vermelho tanto tempo? Creio que estamos conversando há horas.”
“Assim será o jogo para os alvinegros, tudo trancado, não verão o caminho da rede após bem-sucedidas pescarias neste ano”, disse o Divino.
“Embora tenha cerimônias de me meter nessas pelejas, os coríntios, quase sempre humildes, cometeram o pecado da soberba, pecado do meu apóstolo tricolor e ultimamente do Palmeiras do Luxa, sacas?”
Além do sinal, belas nuvens negras da chuva e da fartura nordestina encobriam o caminho de Deus naquela hora, quando o menino Bala recebeu a iluminação do título e espalhou para a incrédula mídia.
Ao longe, Deus cantou para o boleiro: “O bom menino Felipe, coitado, vai tomar um gol que pode parecer frango, mas, para quem sabe de futebol, será indefensável, espero que a amada fiel não o julgue, e que o caminho na Segundona seja leve!”.


xico.folha@uol.com.br

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/esporte/fk1306200815.htm